Seja por economia voluntária, para guardar dinheiro, ou por economia forçada (vide a situação econômica do Brasil), pode ser que você esteja cortando todo quanto é tipo de gasto - incluindo aí o desembolso com roupas e itens de vestuário. 

quanto custa se vestir bem
Uma consultoria completa envolve um processo de autoconhecimento de si, de seu próprio estilo, e de seu propósito. Automaticamente, quem passa pela consultoria começa a aprender a investir de forma mais assertiva em suas peças. Mas e aí, você pode fazer o quê para economizar no seu estilo pessoal? Separei cinco dicas fáceis para você pôr em prática hoje:

    1. Comprar peças usadas em brechós online ou físicos. Eu gosto muito do site Repassa (repassa.com.br) que faz uma curadoria de peças enviadas por pessoas e as coloca à venda com todas as informações de tamanho e composição.

    2. Quando for comprar de brechós confira as medidas (no online) ou prove. Analise o preço da venda e veja se ela está realmente em conta. Alguns brechós no Instagram fazem uma curadoria de peças bonitas e estilosas, mas vendem por preço de peça nova. E tem mais, como os posts das peças disponíveis saem em horário marcado, você pode cair no senso de urgência de comprar aquela roupa única antes que alguém o faça, e aí nem sempre a peça pode servir ou combinar com as que você já tem no guarda-roupa.

    3. Calcular o custo por uso da peça. Se você vai comprar uma roupa que vai usar no trabalho quase todos os dias do ano, isso significa que você vai usá-la cerca de 260 vezes por ano. Sendo assim, você pode investir numa peça mais cara que seja também mais confortável e duradoura. Digamos que uma peça esteja à venda por R$ 520,00, o custo por uso dessa peça no ano é de R$ 2,00. 

    4. Procurar peças em lojas populares. Eu sei, em alguns casos o buraco é bem mais embaixo, o cinto aperta de verdade, e a gente pode pagar no máximo R$ 30,00 por peça. Aqui, a principal armadilha é o design genérico que essas lojas podem apresentar. É possível conseguir se vestir bem pagando preços bem baixos, mas pra isso você precisa conhecer bem seu estilo pessoal para dar uma filtrada nas peças que não tem nada a ver com você.

    Outra coisa que você tem que dar uma olhada bem boa é na qualidade das peças: veja as costuras, olhe a composição (prefira as peças de algodão e viscose - sim, é possível encontrar, só olhar com atenção). 

    5. Considere o aluguel de peças casuais. Existem algumas iniciativas como o Roupateca e Não Tenho Roupa que podem te salvar naquela ocasião que você precisa ir apresentar um trabalho, fazer uma palestra, ir a um aniversário, ou qualquer evento do dia a dia em que você antigamente saía pra comprar um look inteirinho pra usar apenas uma vez. Nesse sistema, você aluga peças e aí, pode usar apenas uma vez sem peso na consciência e no bolso. Que tal?

    6. Trocar de roupas entre conhecidos. Pode ser que aquela peça que você não usa mais sirva perfeitamente para alguém que você conhece, e que a peça que você precisa esteja esquecida no armário de alguém. Já é uma realidade em alguns países os eventos de troca de roupas entre conhecidos. É uma forma muito bacana de solucionar as faltas que podem surgir no guarda-roupa sem gastar um tostão.

E você, gostou das dicas? Qual delas você pensa em colocar em prática?

Post a Comment

Queremos te ouvir! Deixe a sua mensagem:

Postagem Anterior Próxima Postagem